Rio - A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) anunciou, neste domingo, que comprará a vacina contra a covid-19 do Instituto Serum, da Índia. As doses do imunizante tem tecnologia criada pela Universidade de Oxford em parceria com a AstraZeneca.
A previsão para os registros da vacina de Oxford no Brasil é o dia 15 de janeiro e o primeiro lote com os insumos para a produção do imunizante estão previstos para fevereiro. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou neste sábado a Fundação Oswaldo Cruz a importar 2 milhões de doses de vacinas contra covid-19.
A Fiocruz é a responsável por produzir a vacina desenvolvida pela AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford, no Brasil. A vacina com a importação aprovada foi a produzida pelo Instituto Serum, empresa que produz a vacina da AstraZeneca, na Índia. Lá, o uso emergencial já foi aprovado.
"A principal exigência é que as vacinas importadas fiquem sob a guarda específica da Fiocruz até que a Anvisa autorize o uso do produto no país. Para isso, a Fiocruz deve garantir as condições de armazenamento e segurança para manutenção da qualidade", diz a agência, em nota. Segundo a Anvisa, a indicação é que as vacinas cheguem ao país ainda neste mês.

Existem quatro vacinas com pesquisas autorizadas no país e a agência já analisa os dados prévios enviados pelos laboratórios. Mas, segundo a Anvisa, ainda não há pedidos de uso emergencial ou de registro no país.