Por que queremos o Messias?

A Era do Messias é descrita como um tempo de harmonia universal.

fonte: Guiame, Mário Moreno

Atualizado: Segunda-feira, 19 Abril de 2021 as 2:15

(Foto: Shema Ysrael)
(Foto: Shema Ysrael)

Por conta disso, todo Israel – seus profetas e sábios – ansiavam pela era do Rei Ungido (o Messias), a fim de que os reinos ímpios, que não permitem que Israel se ocupe no estudo da Torah e na observância das mitsvot adequadamente, será colocado para descansar. [Os Filhos de Israel] desfrutarão [então] da serenidade e aumentarão a sabedoria para que mereçam a vida no Mundo Vindouro.

Pois naqueles dias o conhecimento, a sabedoria e a verdade aumentarão, como está declarado, ‘Pois a terra estará cheia do conhecimento de D’us’ (Is 11:9). Ele [também] afirma: ‘E um homem não ensinará seu irmão, nem um homem seu semelhante, [dizendo ‘conhece D’us’, pois todos eles Me conhecerão]’ (Jr 31:33). Ele [além] declara: “Eu removerei os corações de pedra de sua carne” (Ez 36:26).

Isso ocorre porque aquele rei que surgirá dos descendentes de Davi será um homem sábio maior do que Salomão e um grande profeta quase tão grande quanto nosso mestre Moshe. Portanto, ele ensinará a nação inteira e os instruirá no caminho de D’us. Todas as nações virão ouvi-lo, como está declarado: ‘E será no fim dos dias que a montanha da casa de D’us será estabelecida no topo das montanhas… [e todas as nações fluirão até ele. E muitas pessoas irão e dirão: ‘Venha, vamos subir à montanha de D’us… e Ele nos ensinará os Seus caminhos…’]’ (Is 2:2-3).

A recompensa final em sua totalidade e o bem final que nunca será interrompido ou diminuído é a vida do Mundo vindouro. Em contraste, os dias do Messias são [uma parte] deste mundo, e o mundo operará em sua maneira normal, apenas essa soberania retornará a Israel. Os primeiros sábios já declararam: “Não há diferença entre este mundo e os dias do Messias, exceto a subjugação das nações apenas” (Talmud Brachos 34b).

Esta lei segue de perto a discussão anterior do Rambam. Na Lei 1, o Rambam explicou que as recompensas que a Torah promete aos fiéis – chuva, safras, paz, boa saúde – não são a verdadeira recompensa por nossos atos. Isso será no Mundo vindouro. Eles são antes os benefícios marginais que D’us nos fornece – a fim de tornar mais fácil para nós servi-Lo. Se servirmos a D-us com o melhor de nossas habilidades, Ele removerá as dificuldades e distrações que nos afastam Dele. Não teremos que passar fome, doença ou guerra. O mundo nos fornecerá nossas necessidades – de modo que sejamos capazes de nos dedicar plena e sinceramente ao serviço de D’us.

Esta semana o Rambam amplia este tópico, relacionando-o com a Era Messiânica. Lá também as Escrituras prometem paz e harmonia mundial. E o Rambam vê exatamente o mesmo propósito nisso. A grandeza do Fim dos Dias será o simples fato de que seremos capazes de servir a D’us sem ser perturbados. Em vez de sofrer exílio e privação, Israel ascenderá. O mundo inteiro reconhecerá o D’us de Israel e se unirá em Seu serviço. Será um tempo de paz mundial, de iluminação universal. Mas talvez o melhor de tudo, nada nos impedirá de estudar a Torah de D’us o dia todo.

Há algo que acho extremamente revigorante sobre a abordagem do Rambam para a era do Messias. Temos a tendência de pensar na Era Messiânica em termos sobrenaturais muito assustadores. Alguma luta apocalíptica ocorrerá – o confronto final entre o bem e o mal. O bem acabará triunfando, mas somente depois que muito sangue for derramado de ambos os lados. Como já citei no passado, os sábios do Talmud na verdade registraram dizendo que preferiam não estar por perto para a vinda do Messias (Sanhedrin 98b). Não vai ser bonito. A menos que a humanidade comece a se comportar muito melhor do que atualmente, a transição para esse período será realmente cataclísmica.

Da mesma forma, quando chega o fim, tendemos a pensar nisso em termos muito sobrenaturais. Os poucos humanos que sobreviveram ao Armagedom viverão uma existência totalmente sobrenatural – em um mundo que não conhecemos e provavelmente não gostaríamos de estar. Ou talvez vejamos o Fim dos Dias em termos políticos – como fazem algumas outras religiões. O Messias será o rei guerreiro, descendente do rei Davi, administrando um império mundial de sangue e aço. Ele enviará suas tropas fiéis aos quatro cantos da terra, subjugando violentamente todas as nações do mundo ao reino majestoso de D’us (embora com punho de ferro).

O Rambam, em refrescante contraste, descreve a era do Messias em termos muito mais modestos e relacionáveis. Quando o Messias vier, teremos tudo o que realmente queríamos durante nossos muitos anos de exílio: sermos deixados em paz. Serviremos a D’us imperturbáveis. Ninguém e nada nos impedirá. Na verdade, as nações do mundo virão até nós – longe de termos que subjugá-las – tanto para nos ajudar a servir a D’us quanto para aprender conosco a sabedoria de D’us. Será, mais do que qualquer outra coisa, uma era de conhecimento universal. “Pois a terra se tornará cheia do conhecimento de D’us à medida que as águas cobrem o mar” (Is 11:9).

Existem duas lições muito importantes que emergem da imagem do Rambam do Fim dos Dias. A primeira é que a Era Messiânica pode ser vista não como o fim da história mundial, mas em certo sentido como um começo. A história não chega a uma resolução bem-sucedida com a chegada do Messias. O Judaísmo não vê o Messias como uma figura maior que a vida, que expiará por todos nós e sozinho trará a salvação do mundo. Na verdade, a Escritura se concentra muito mais na Era Messiânica do que na pessoa do Messias.

E isso ocorre porque o Messias apenas definirá o cenário. Ele restaurará a paz mundial e reconstruirá o Templo. Mas nesse ponto, caberá a nós. Cada um de nós se dedicará a D’us e ao estudo de Sua Torah. Ninguém mais pode se conectar a D’us por nós (novamente, ao contrário da crença de outras religiões). Finalmente seremos capazes de fazer o que desejamos fazer ao longo da maior parte da história mundial – apenas estudar a Torah de D’us e servi-Lo sem ser perturbado. Com o Messias, uma era utópica começará. Mas nesse ponto, caberá a nós criar essa sociedade ideal, um mundo que é um reflexo perfeito de D’us.

Há uma segunda lição da descrição do Rambam do Fim dos Dias que considero especialmente animadora. A Era do Messias é descrita como um tempo de harmonia universal. A humanidade se unirá em serviço a D’us. Estaremos todos nos empenhando pelo mesmo nobre objetivo e todos nos ajudaremos a chegar lá.

Agora, quando consideramos esta imagem em comparação com os anos de exílio de Israel, surge um contraste muito bonito. O povo judeu tem sido indiscutivelmente a nação mais maltratada e perseguida que já existiu na face da terra. Na melhor das hipóteses, sofremos preconceito e cidadania de segunda classe. Na pior das hipóteses, enfrentamos pogroms, expulsões e genocídio. Quando o julgamento final chegar, não há dúvida de que os muitos erros e injustiças que Israel sofreu ao longo dos tempos serão corrigidos. Muitas dívidas não pagas serão cobradas integralmente. D-us não se esqueceu de uma única lágrima ou gota de sangue judeu. O Messias terá muitas contas a acertar. E isso é uma garantia!

No entanto, mesmo assim, esta imagem não figura na descrição dos Sábios do Fim dos Dias. Não há indício de que finalmente iremos agredir as nações que por tanto tempo nos intimidaram. Não vemos a era do Messias como aquela em que nos regozijaremos ou daremos as últimas risadas, aqueles desprezíveis descrentes rastejando aos nossos pés implorando por misericórdia.

Na verdade, ocorrerá exatamente o oposto. Nós lideraremos as mesmas nações que nos perseguiram para a sua salvação. Certamente estaremos no comando. Mas a era do Messias não é aquela em que dominaremos e conquistaremos as nações, mas na qual iremos guiá-las. Diremos a elas – e elas ouvirão – a mensagem que tínhamos para elas o tempo todo: que existe um D-us infinito que as ama e cuida delas, que Ele nos deu mitsvot (mandamentos) para nos capacitar a ter uma conexão com Ele e ganhe o mundo vindouro. Em vez de dominarmos aqueles goyim (gentios) inferiores que nunca nos deram atenção, teremos o maior prazer em dar a eles o que suas almas precisaram o tempo todo. Finalmente seremos aquela “luz para as nações” (Is 42:6) D’us pretendeu que fôssemos.

Muitos judeus morreram nas mãos dos gentios com o “ani ma’amin” em seus lábios, expressando sua crença de que o Messias finalmente chegará e trará a redenção. Meu professor explicou o que o ani ma’amin significa e o que não significa.

O ani ma’amin não significa que hoje você está nos batendo, mas no futuro o Messias chegará e nós vamos bater em você. Judeus piedosos prestes a dar suas vidas em santificação do Nome de D’us não tinham tamanha mesquinhez em suas mentes.

Em vez disso, esses judeus estavam vendo um propósito em seu sofrimento. Eles viram que mesmo em seus momentos mais sombrios, quando a Mão guiadora de D’us parecia menos evidente, D’us estava realmente lá para eles o tempo todo. O sofrimento de hoje é de alguma forma um passo em direção à salvação final de amanhã. É de alguma forma um dos passos necessários para trazer o Messias. Assim, em vez de se envolverem em seu próprio sofrimento, essas pessoas se voltaram para o exterior, vendo a mão de D’us em seu momento mais oculto. Em vez de olhar com raiva para os gentios que os perseguiam e aguardar sua doce vingança, eles viram o mais tênue amanhecer do glorioso Fim dos Dias – o dia em que traremos nossos próprios opressores à salvação. Que essa hora chegue rapidamente em nossos dias.

Tradução: Mário Moreno.

Por Rav. Mário Moreno, fundador e líder do Ministério Profético Shema Israel e da Congregação Judaico Messiânica Shema Israel na cidade de Votorantim. Escritor, autor de diversas obras, tradutor da Brit Hadasha – Novo Testamento e conferencista atuando na área de Restauração da Noiva.

*O conteúdo do texto acima é de colaboração voluntária, seu teor é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.