A Revelação do Espírito

Tanto judeus quanto gentios têm a oportunidade de entrar em uma aliança com D-us como a noiva do Messias.

fonte: Guiame, Mário Moreno

Atualizado: Terça-feira, 6 Abril de 2021 as 2:48

(Foto: Shema Ysrael)
(Foto: Shema Ysrael)

Os rabinos explicam-nos que a cada geração, cada pessoa deve considerar-se como tendo recebido pessoalmente a Palavra de D-us no monte Sinai. Na sinagoga, nos dias de Shavuot (dois dias na diáspora), o rolo da Torah é removido da Arca. No primeiro dia, a leitura é tirada de Shemot / Êxodo 19-20 que dá a narrativa sobre os Dez Mandamentos. A intenção é ficar de pé durante a leitura para enfatizar a importância do evento no Sinai e simular a experiência que ocorreu no Sinai quando o povo judeu se levantou para receber a revelação de D-us. O festival de Shavuot (festa das semanas) marca o ponto culminante da redenção de D-us. No decorrer da narrativa, as pessoas saíram do Egito, e essa libertação levou à revelação no Sinai, que era o objetivo final, dar ao povo a Palavra de D-us e tê-la escrita em seus corações. De acordo com o Midrash Sifrei Bamidbar 101, os rabinos dizem que as tábuas de pedra eram feitas de safira, um símbolo dos céus e do trono de D-us.

(Bamidbar 12:3) “E o homem Moisés era extremamente humilde”: “humilde” em sua mente (isto é, complacente). Você diz humilde em sua mente, mas talvez (o significado é) “humilde” em sua riqueza; é, portanto, (negar isso) escrito (Shemot 11:3) “O homem Moisés, também, era muito grande” (no contexto, na riqueza). Descobrimos que as segundas tábuas feitas por Moisés eram de safira, estando escrito (Devarim 10:1) “Esculpa para ti ([os fragmentos das primeiras tábuas foram concedidos a Moisés]) duas tábuas de pedra como a primeira.” Assim como as primeiras eram de safira, essas também. E de onde é derivado que as primeiras eram de safira? De (Shemot 32:16) “E as (primeiras) tábuas foram obra de D’us”, e (Ibid. 24:10) “… e sob Seus pés, como a obra de um pavimento de safira.” “Trabalho” é comparado a “trabalho”. Assim como “trabalhar” lá (24:10) é de safira, “trabalhar” aqui se equivale (32:16). “Mais” (humilde) do que qualquer homem na face da terra”: mas não (mais humilde) do que os antepassados. R. Yossi diz: Até (mais humilde) do que os antepassados. E qual é a intenção de qualquer homem na face da terra”? – mas não (mais humilde) do que os anjos.

As palavras dos Dez Mandamentos foram escritas pelo dedo de D-us (Shemot / Êxodo 31:18). No Talmud, Shavuot é referido como o dia do casamento entre D-us e o povo judeu. O Senhor D-us no céu é o noivo e o povo judeu é a noiva. A Torah representa a ketubah (contrato de casamento) e as afirmações do midrash em que o Monte Sinai foi erguido bem acima das cabeças das pessoas como uma chuppah (dossel de casamento) quando o povo se postou diante do Sinai para receber a Palavra de D-us. Além disso, o livro de Ruth é tradicionalmente lido. Ruth era uma moabita, uma não judia que se converteu à fé judaica e se tornou parte da linhagem do Rei Davi e do Messias Ieshua por meio do amor de um parente redentor (Rute 1:16). Essas coisas demonstram para nós o amor e a misericórdia de D-us, proporcionando oportunidade para cada homem entrar em uma aliança de fé com o Senhor D-us de Israel. Durante a época do Templo, Shavuot era reconhecido tanto como um festival agrícola quanto como um que comemorava a entrega da Torah. Shavuot é um dos “shalosh regalim”, os três festivais nos quais os homens eram ordenados a comparecer diante de D-us no Tabernáculo. Na Brit Hadasha (Novo Testamento), somos informados de como Shavuot se tornou um festival da escrita da Palavra de D-us em nossos corações por meio da dádiva do Espírito o Santo de D-us ao Seu povo. A Torah descreve o dia de Shavuot que marcou o dia de uma grande e dramática revelação de D-us, com sinais de fogo, sons de trovões e o toque do shofar, e um tempo determinado quando Moshe ascendeu pela primeira vez para receber a revelação de D-us, isto é conectado com a descida do Espírito o Santo de D-us sobre os seguidores do Messias de Sião. Quando o Espírito foi derramado em Jerusalém na Festa de Shavuot também ocorreram manifestações visíveis da Sua presença ali: “e, de repente, veio do céu um soído, como de um vento veemente e impetuoso, e encheu toda a casa em que estavam assentados. E foram vistas por eles línguas repartidas, como que de fogo, que se pousaram sobre cada um deles” At 2.2-3. Shavuot representa o cumprimento das promessas de D-us e isso aconteceu também através de manifestações sobrenaturais, o fortalecimento de Seu povo, o amor pela redenção e a revelação da presença de D-us ao Seu povo. Tanto judeus quanto gentios têm a oportunidade de entrar em uma aliança com D-us como a noiva do Messias, de cada tribo e língua para se tornar uma parte do reino de D-us. No Messias Ieshua, temos fé e D-us dá seu Espírito para habitar em nosso meio e ser nosso D-us. O plano final de redenção, a mensagem do evangelho, é apresentado nas páginas da Torah, e em Ieshua temos o amor e a misericórdia de D-us, e o cumprimento da mensagem profética de Jeremias 31:33 que afirma: “Eu irei coloque minha lei em suas partes íntimas e escreva-a em seus corações!” Temos um D-us amoroso e misericordioso e um Messias que deu sua vida por nós! Que D-us maravilhoso nós servimos!

Podemos afirmar que esta época marca não somente a dádiva da Torah escrita em tábuas ao povo de Israel, mas também p cumprimento da promessa feita a Jeremias quando a Torah viva – Ieshua – foi escrita nos corações dos homens através do Espírito o Santo. Outra particularidade da Festa é que existem moveres espirituais que são liberados e que precisam ser recebidos por aqueles que a celebram.

Finalizando, a restituição é também um dos aspectos da Festa e isso está explícito na profecia de Joel onde é dito: “E vós, filhos de Sião, regozijai-vos e alegrai-vos no IHVH vosso Elohim, porque ele vos dará ensinador de justiça, e fará descer a chuva, a temporã e a serôdia, no primeiro mês. E as eiras se encherão de trigo, e os lagares trasbordarão de mosto e de óleo. E restituir-vos-ei os anos que foram consumidos pelo gafanhoto, a locusta, e o pulgão e a aruga, o meu grande exército que enviei contra vós. E comereis abundantemente e ficareis satisfeitos, e louvareis o nome do IHVH vosso Elohim, que procedeu para convosco maravilhosamente; e o meu povo não será mais envergonhado. E vós sabereis que eu estou no meio de Israel, e que eu sou o IHVH vosso Elohim, e ninguém mais: e o meu povo não será envergonhado para sempre” Jl 2.23-27. As palavras de Joel ecoaram naquele dia em Jerusalém quando o “ensinador de justiça” foi dado a eles – o Espírito o Santo – e também houve um grande milagre de restituição quando quase três mil pessoas acreditaram que Ieshua é o Ungido e prometido do Eterno para a humanidade.

Enfim, em Shavuot temos então diversos aspectos que estão profundamente interligados e que apontam para um só caminho: o da obediência!

Que assim seja para nós em nome de Ieshua.

Tradução e adaptação: Mário Moreno.

Por Rav. Mário Moreno, fundador e líder do Ministério Profético Shema Israel e da Congregação Judaico Messiânica Shema Israel na cidade de Votorantim. Escritor, autor de diversas obras, tradutor da Brit Hadasha – Novo Testamento e conferencista atuando na área de Restauração da Noiva.

*O conteúdo do texto acima é de colaboração voluntária, seu teor é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.